A banalização da violência

Realidade no Brasil e no mundo, é cada dia mais comum observarmos situações de violência nos mais diversos ambientes, grupos, faixa etárias e classes sociais. A banalização da violência tem sido característica da sociedade do século XXI, que parece, por vezes, viver nos tempos das cavernas.

Um dia, um homem atira à queima-roupa em um rapaz de 22 anos por estar cortando sua fila no mercadinho do bairro em Marabá-PA.

Outro dia, uma travesti é baleada nas costas em pleno Centro de Maringá-PR.

Um dia, um ex-PM atira e mata sua esposa e filho e em seguida comete suicídio em Sertãozinho-SP.

Noutro dia, um pai ciumento mata a tiros o genro, o ator Rafael Miguel do SBT, e inclusive os pais do genro que estavam juntos a fim de “pedir autorização” pelo namoro, em plena Zona Sul de São Paulo.

Um dia, um casal de namoradas é agredido dentro do ônibus em Londres após um grupo de homens exigirem que elas se beijassem.

Em outro dia, uma mãe, aliada à companheira, esquarteja o próprio filho.

Outro dia, o governador do RJ avisa que irá “barrar” a entrada nas escolas de menores liberados de unidades socioeducativas por serem perigosos (Será mesmo que cumprindo o regime domicilar, sem escolas e com bastante tempo ocioso, esses jovens infratores seguirão para um bom caminho para eles e para a sociedade? Ou há aí mais espaço para a violência?).

Noutro dia, jovem negro é imobilizado e morto por segurança do Extra.

Violência contra os animais também, como o caso das pessoas ensacarem árvores para passarinhos não fazerem ninhos, tão louca quanto aquela do segurança do Carrefour que já comentei aqui.

Essas situações são apenas desses últimos dias e meses, fora tantas outras que já comentei aqui em outros posts (clique aqui) e aquelas que vemos todos os dias nos noticiários e até à nossa volta. Muitas por motivos tão banais, tão estranhos, tão desumanos, tão egoístas, tão covardes. Outras por reflexo de preconceitos, racismo, LGBTQfobia, machismo. Outras por excesso de poder e até poder de arma. Enfim… “n” motivações…

O que pensam os humanos, os ditos racionais?

O que a sociedade composta pelos mesmos humanos pode fazer para intervir?

Quem será o próximo alvo?

Eleições 2018

A tal das Eleições 2018 tem seguido como tema quente, afinal falta apenas 1 mês para as Eleições que elegerão os futuros deputados estaduais e federais, senadores, governadores e a disputada presidência da república.

Em julho, postei um artigo sobre eleições, logo após o término da Copa do Mundo, em que estava posta em dúvida a candidatura à presidência de Lula, preso atualmente sob investigação. E hoje o TSE confirmou a impugnação do candidato.

Dessa forma, ainda a confirmar pelo PT, a chapa deverá ser composta por Haddad e Manuela e é bem provável que a escolha dos candidatos à presidência se resumirá entre 13 candidatos:

  • Alckmin (PSDB)
  • Álvaro Dias (Podemos)
  • Boulos (PSOL)
  • Cabo Daciolo (Patriota)
  • Ciro (PDT)
  • Eymael (DC)
  • Haddad (PT) – A confirmar
  • Henrique Meirelles (MDB)
  • Jair Bolsonaro (PSL)
  • João Amoêdo (Novo)
  • João Vicente Goulart (PPL)
  • Marina Silva (Rede)
  • Vera Lúcia (PSTU)

07 de outubro está chegando e é importante se informar sobre as propostas e analisar os prós e contras dos candidatos a todos os cargos.

É fundamental compreender como funciona a democracia, entender quais são as funções do(a) presidente, do(a) governador(a), dos senadores, dos deputados federais e deputados estaduais. Isso evitará cair nas ciladas daqueles que prometem, mas nunca poderão cumprir as promessas, afinal nem cabe ao cargo deles.

Outra dica é cuidar com as fake news. Mentiras para atrair votos é complicado! Portanto investigue, ainda que ou principalmente se é o seu candidato.

Entender que eleição não é disputa de futebol é essencial!

Sejamos conscientes e coerentes.

Brasil: O país do futebol? Só do futebol?

Qualquer brasileiro que vá ao exterior e/ou tenha contato com algum estrangeiro percebe que ao mencionar ser do Brasil, dentre diversas associações, é ser do “país do futebol”.

E, realmente, o futebol no Brasil tem grande destaque e isso é muito legal! Seleção masculina em busca do hexa… Seleção feminina já é hepta (apesar de não ser tão visada quanto à masculina, sem retirar méritos, mas isso prefiro questionar numa próxima! Rs… )!

Mas o Brasil, também, é o país de:

  • belezas naturais espetaculares (vale lembrar que estamos precisando cuidar melhor disso!);
  • clima tropical (super agradável);
  • pessoas receptivas (a maioria);
  • comida maravilhosa e diversificada (de Norte a Sul, Leste a Oeste!) e ainda o famoso “arroz com feijão” de cada dia!
  • culturas, costumes, tribos diferentes;
  • festas! Ooô povo festivo! Carnaval, por exemplo.
  • pessoas persistentes.

E por aí vai!

Mas e então agora eu te pergunto.

Nós brasileiros valorizamos as coisas boas que temos?

Ou nos apegamos em dar ênfase aos acontecimentos ruins?

Seria “justo”, – talvez outra palavra se encaixaria melhor aqui! – “benéfico” com nós mesmos seguir apenas com uma visão negativa?

E se a realidade negativa ainda é muito superior, por que chegamos a este ponto? Temos “culpa”?

 

Te convido a pensar, refletir, comentar, argumentar sobre a nossa, a sua visão à respeito do Brasil, não a visão dos estrangeiros, porque essa deixarei para uma próxima, combinado?!