Fim da Copa, “start” nas eleições!

A Copa do Mundo 2018 para o Brasil já acabou… e agora vem um novo desafio, primordial: Eleições 2018!

O desafio é quente, afinal o país vive uma crise política um tanto histórica que parece não ter fim…

Em Outubro deste ano, serão eleitos candidatos à presidência do país, ao senado, às câmaras federais e estaduais e aos governos estaduais. Mais do que deter 5 números de candidatos ou optar pelo voto nulo ou branco, é fundamental saber os porquês que te levaram a escolher esses números ou não, até porque são esses outros eleitos que selecionarão mais um “bando” para serem seus assessores, secretários, chefes de ministérios, entre outras funções que usarão nossa verba, mas fazendo algo, ou apenas ajudarão a “torrar nossa grana”… trata-se de uma bola de neve.

 

o-ELEICOES-CHARGE-570

Fonte: https://www.huffpostbrasil.com/mandrade/eleicoes-cartum_b_4936868.html

Diante da guerra estabelecida entre direita e esquerda, surgem “salvadores da pátria”, principalmente relacionados à função de presidente. E isso é péssimo, até porque o nosso sistema político não se resume apenas à presidência e a escolha dos demais é tão importante quanto apenas resumir sua escolha a Ciro, Bolsonaro, Lula, Marina, Manuela etc.

Por falar em Lula, vocês já devem estar acompanhando o pedido de soltura e os pedidos negados… sai e não sai, sai e não sai…. Seria hipocresia nossa pensar que na política não há “n” interesses de tudo quanto é lado, em que legislativo, judiciário e executivo muitas vezes se misturam e misturam interesses colocando à parte suas plenas funções independentemente de quem, se de direita ou de esquerda, de frente ou de costas, de cima ou de baixo…. Não podemos generalizar, mas é preciso saber que o jogo de interesses está aí, infelizmente, e há muito por debaixo dos panos. É necessário ir além das mídias e dos discursos dos concorrentes e/ou parceiros.

O que quero hoje é te convidar a pensar, investigar e questionar os candidatos, principalmente, focando nas propostas, propostas estas que devem visar o bem comum e não apenas o seu. Mas, primeiro, para isso, é preciso retirar as travas dos olhos e entender que o “porque sim”, ou “porque somente ele nos salvará”, ou “porque chega de corrupção, voto no X”, etc., tudo isso NÃO BASTA! Já passou da hora de se informar e ter propriedade sobre suas escolhas, afinal o barco pode mudar de rumo caso a população entenda seu papel em uma democracia.

 

Mérito de quem?

Está em alta o uso da palavra meritocracia, afinal muitos querem uma sociedade de vencedores, vencedores por mérito próprio, típico de “um filho teu não foge à luta”. Realmente, é muito bom lutar por algo e alcançar, mas isso não condiz com “quem não vence é porque não lutou”.

Hoje, principalmente, na sociedade brasileira, destaca-se uma nova classe social: a do “novo rico”, isto é, aquele que ascendeu da pobreza para a classe média – só não entendo porque “média” se literalmente não está no “meio” quando pensamos em riquezas, privilégios e oportunidades.

Tanto essa nova classe, quando a do “rico que ficou ainda mais rico” tendem a defender a tal da meritocracia. E até compreendo, afinal eles “venceram” e querem valorizar suas vitórias defronte os “derrotados”.

Vale lembrar, porém, que muito além de mérito, devemos pensar que quanto mais vencedores, melhor será e que essa “superioridade” de uns ampliada pela “inferioridade” de outros é, por muitas vezes, consequência de oportunidades um dia recebidas, ou pelos famosos QIs (“quem indica”), ou pelo bolsa “papai e mamãe”, ou, mais além, pela presença do básico para viver: comida na mesa, um representante “espelho” na família (aquele suporte… alguns vem com kit completo, leia-se “família completa”), moradia adequada (que tal com acabamento, ou pelo menos um chãozinho cimentado e com teto?)…

Enfim, você sabe do que estou falando. Como afirmou Spartakus Santiago, “não existe meritocracia sem igualdade de privilégios”. Mas e então… todos possuem os mesmos privilégios? Aproveito para sugerir que você assista a um dos vídeos dele sobre o assunto: “Joaquim Barbosa e a meritocracia” (disponível em: https://youtu.be/PZwJFUwPYxQ).

Na mesma linha de raciocínio, Renato Meirelles em uma entrevista à TV Brasil (disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=t6uzxa-O2Fo) afirma: “só existe meritocracia com igualdade de oportunidades”. Agora como exigir méritos de quem mal tem oportunidade? Todos largam do mesmo ponto de partida? (Veja também: https://www.youtube.com/watch?v=FqQOvHbpArk).

A juíza de Direito do Estado do Paraná, Fernanda Orsomarzo, explica a meritocracia, associando-a inicialmente à falsa ideia que todo sucesso de uma pessoa depende de si próprio. Para ela, o conceito de meritocracia está desvirtuado, ligado a uma ideia de extrema competitividade. Mas e os direitos? Onde estão? São os mesmos para todos? A seguir, destaco a análise da juíza. (Assista: https://www.youtube.com/watch?v=FqQOvHbpArk)

De maneira simples, em seu quadrinho intitulado “On a plate” (em português, “De bandeja”), o ilustrador australiano Toby Morris apresenta uma crítica ao conceito de meritocracia. A seguir, a tradução livre feita pela Catavento.

meritocracia 1meritocracia 2meritocracia 3meritocracia 4Fonte: https://www.revistaforum.com.br/quadrinho-desconstroi-o-conceito-de-meritocracia/

 

Pensar que as pessoas são diferentes, em contextos diferentes, alguns com mais privilégios, outros sem, pode facilitar…

Sugiro ampliarmos oportunidades de crescimento ao invés de apenas exigirmos méritos. Oportunizar, conceder direitos, pode ser um bom caminho ao invés de julgar e se impor.

 

Série: Pessoas que inspiram

Salve, galera!

Estou aqui para te convidar para uma nova série, agora biográfica, sobre pessoas que inspiram, tanto para mim, quanto para outras pessoas.

 

Pessoas que inspiram(2)

Portanto, se você conhece ou é alguém que inspira, envie-me uma mensagem para karen.campana@hotmail.com ou acesse o formulário aqui no Blog em Contato.

Afinal, pessoas ensinam, com pessoas aprendemos e pessoas inspiram…

Próxima semana, tem lançamento aqui no Blog!

Conto com a participação de vocês!

O racismo contra os negros é velado no Brasil?

Todos nos somos iguais perante a lei ou pelo menos deveríamos ser, mas sem distinção de qualquer natureza, conforme o Art. 5o da Constituição da República Federativa do Brasil.

 

Não questionando a veracidade da lei em si, mas, sim, a sua aplicabilidade na sociedade atual, faz-se necessária uma reflexão e atuação das partes legais perante às situações de preconceito racial, pois constantemente os noticiários anunciam episódios de racismo.

Em alguns casos, ocorre de forma sutil, de modo que nem seja “percebido”. Infelizmente, atos racistas passaram a ser corriqueiros no Brasil, principalmente, quando a vítima não possui status social elevado.

Hoje prefiro me ater a um deles… o racismo contra os negros, que muitos julgam ser apenas “mimimi”.

Seja nos noticiários, seja no dia-a-dia, você já deve ter acompanhado alguma cena de racismo… apenas para refrescar a memória, seguem algumas situações exemplos: torcidas rivais imitando sons de macaco e/ou atirando bananas quando um jogador negro tem acesso à bola (Tinga, Neymar, Daniel Alves, Aranha…); jovens sendo seguidos por seguranças nas lojas por serem negros e, ainda, outros por serem impedidos de entrar em certos lugares por sua cor (desde Shopping em Curitiba/PR, Shopping no ES, até Shopping na Bahia, recentemente com o menino que apenas ia ter sua comida paga por outro rapaz…); mães negras com filhos brancos sendo “confundidas” com empregadas e/ou babás; alunos de universidades, bolsistas, cotistas ou não, sofrendo ataques dos “colegas” (aluno da FGV chamado de “escravo do fumódromo”, portas dos banheiros da Faculdade do ABC Paulista com dizeres racistas, estudante de Medicina da USP em evento esportivo…); candidato à governo a fim de angariar votos (acredito!) menosprezando pessoas ou afirmando que racismo não existe ou é causado por uma minoria (Bolsonaro, Flávio Rocha…); apelidinhos não tão fofos e outros que parecem ser inofensivos e que prefiro não mencionar aqui, apenas para não incentivar ou talvez até te fazer achar graça daquilo que não tem graça nenhuma, ainda mais quando quem os recebe não gosta nem um pouco de recebê-los ou aceita porque já teve que se acostumar.

Enfim… basta acompanhar os noticiários diários e observar seu cotidiano…

Embora no Brasil haja uma forte mistura de raças, diariamente as pessoas negras são vítimas de muitas situações como as aqui citadas. Dessa forma, por mais que tentem apaziguar, esta tem sido a realidade: um país que finge viver a tentativa de uma sociedade justa, igualitária e humanizada, quando a questão é racial.

Porém, episódios como esses têm provocado não só indignação, mas gerado reflexão em boa parte da sociedade. Provavelmente, você já pode ter presenciado ou ouvido alguma situação dessa natureza, mas, então, qual foi sua reação? Qual foi o seu sentimento neste momento? Concordou? Silenciou?

É impossível não ver… Se não vê, algo está errado e vale a pena investigar, rever, dialogar, colocar-se no lugar do outro que está do outro lado.

É necessário tirarmos urgentemente as vendas dos nossos olhos…

Reconhecer o outro, respeitá-lo, proporcionar situações realmente equitatárias, recepcionar, criar vínculos… AMAR… Independente da raça, da cor, da religião, da opção sexual, da condição física, psicológica e/ou social. Acredito que só assim poderemos ampliar nossa visão de humanidade e nos unir frentes às questões e dificuldades que realmente importam e são imprescindíveis!

 

 

Este artigo da autora foi publicado primeiramente no Blog da Central Única de Favelas (CUFA) Paraná, disponível em: http://cufa-pr.blogspot.com e readaptado para o Blog Karen Campana.

 

 

Um dia a gente ganha, outro a gente perde…

Há exatos 4 anos atrás, a torcida brasileira se entristecia com a derrota para a Alemanha de 7 a 1… Sete… Sim, sete! Como diz nosso amigo Mustafary (do célebre humorista Marco Luque): “não é 1, não é 2, não é 5… é 7, pae!!!”. A mesma Alemanha que levou a Copa do Mundo FIFA de 2014 (digo, com algumas mudanças) e hoje está fora da de 2018.

E a vida é assim…

Um dia você está a Alemanha de 2014… Outro, você está a de 2018.

Um dia você é o Brasil de 1970… Outra vez você é o de 1994, ou 2014, ou 2018…

Enfim…

Um dia vencemos, noutro perdemos…

Um dia a gente ri, noutro chora…

O importante é continuar tentando.

Comemorar as vitórias e aprender nas e com as derrotas (os ditos “vexames”).

É cair e levantar!

Portanto: Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima! Não se acostume nem só com as derrotas, nem só com as vitórias! A vida com seus altos e baixos tem muito a nos ensinar. Mesmice não te move. Aprenda com as inclinações da vida e desenvolva-se!