I smile 😀

Versão original – Kirk Franklin
Versão do Sync3

I dedicate this song to recession, depression and unemployment
This song’s for you

Today’s a new day
But there is no sunshine
Nothing but clouds
And it’s dark in my heart
And it feels like a cold night

Today’s a new day
But where are my blue skies?
Where is the love and the joy
That you promised me?
Tell me it’s alright

I’ll be honest with you

I almost gave up, but a power
That I can’t explain
Fell from Heaven like a shower
Now

When I think how much better I’m gon’ be when this is over

I smile,
Even though I hurt, see, I smile
I know God is working so I smile
Even though I’ve been here for a while
What you do? I smile
Come on, smile
It’s so hard to look up when you’ve been down
Sure would hate to see you give up now
God’s people, you look so much better when you smile, so smile

Now every day ain’t gon’ be perfect,
But it still don’t mean today don’t have purpose
Come on

Today’s a new day
But there is no sunshine
Nothing but clouds
And it’s dark in my heart
And it feels like a cold night

It ain’t easy, but today’s a new day
But tell me where are my blue skies
Where is that love yo?
Where is the love and the joy
That you promised me?
Tell me it’s alright

The truth is I almost gave up, but a power
That I can’t explain
The Holy Ghost power, yo
Fell from Heaven like a shower
Now

Now know we’ve been hurt you but still I smile,
Even though I hurt, see, I smile
I know God is working so I smile
Even though I’ve been here for a while
Still, I smile,
Hallelujah, smile
It’s so hard to look up when you’ve been down
Sure would hate to see you give up now
God’s people, you look so much better when you smile

Let’s go, smile for me
Can you just smile for me?
Whatever you’re in right now
Smile for me, smile
Can you just smile for me?

And my people say
You look so much better when you
You look so much better when you
You look so much better when you
You look so much better when you

I say you look so much better when you
And while you’re waiting
You look so much better when you
And while you’re praying
You look so much better when you
Look in the mirror
You look so much better when you
Always remember
You look so much better when you smile
Come on

I almost gave up, I almost gave up
But a power, that I can’t explain
But the Holy Ghost power, yo
Fell from Heaven like a shower
Came down from Heaven now
Hardships, difficulties
Right now
Tears storms this is what I do

I smile
Even though I hurt, see, I smile
What it feels good
I know God is working so I smile
All things are working
Even though I’ve been here for a while
Still I smile,
Smile, hallelujah
It’s so hard to look up when you’ve been down
I know it’s hard right now
Sure would hate to see you give up now
Because you’re a winner
You look so much better when you smile
You look better, so, smile

Dallas, you look so much better when you
New Orleans, you look so much better when you come one
Cleveland, you look so much better when you
Detroit, you look so much better when you
Philly, you look so much better when you
Jersey, you look so much better when you
L.A., you look so much better when you

All my people say you look so much better when you smile

See, I just don’t want you to be happy
‘Cause you gotta have something happening
I want you to have joy
‘Cause can’t nobody take that away from you
I see you smile

Música de Kirk Franklin, I smile, é uma Canção para a vida.

Kirk Franklin já inicia a música dedicando essa canção para caídos,
depressivos e desempregados. O compositor conta a dificuldade de enxergar luz diante dos problemas que vem enfrentando, mas que ele encontra a Luz, representada pela figura de Deus, o Deus que trabalha por ele quando está cansado e sobrecarregado e resta a ele sorrir.

“You look so much better when you smile so smile!”

“Você parece muito melhor quando você sorri! Então sorria!”. Aqui há um convite a colocar em prática o sorriso, independente da circunstância, mesmo sabendo que nem todos os dias serão perfeitos, mas que para tudo há um propósito.

Seguindo a letra, é possível perceber que o sorriso não é para disfarçar uma situação, mas sim te levar a ter esperança e fé que dias melhores virão… é a ideia de que um sorriso pode mudar seu modo de ver as coisas e pessoas ao seu redor… é o sorriso encorajador e que contamina.

Quantas vezes você estava mal e se deparou com um sorriso que te fez sorrir?

Um anúncio da Coca-Cola, inclusive, abordou sobre esse tema. Veja:

Uma outra marca, também seguiu essa ideia:

Penso que um sorriso é uma expressão de amor, portanto te convido a sorrir!

Que você encontre forças e coragem para seguir em frente! Enfrente! Sorria!

Em nome de quem?

Em nome de quem exploramos?
Em nome de quem sacrificamos?
Em nome de quem desmatamos?
Pro lucro de quem?

Até quando nos veremos como deuses,
Que decidem, quanto vale a humanidade?
Festejamos os avanços pra essa pobre raça humana,
Mergulhada na maldade.

Em nome de quem matamos?
Em nome de quem especulamos?
Em nome de quem escravizamos?
Pra alegria de quem?

Será mesmo necessário desprezar o santuário,
Pra trazer a novidade?
Esperamos receber algum futuro em nossas mãos,
Manchadas pela iniquidade.

Até quando nos veremos como deuses,
Que decidem, quanto vale a humanidade?
Festejamos os avanços pra essa pobre raça humana,
Mergulhada na maldade.

 

Música interpretada pela banda Resgate, Em nome de quem? faz uma série de questionamentos a nós interlocutores a fim de identificar os motivadores de tanta maldade no mundo.

A crítica gira em torno de pensarmos em nome de quem agimos a ponto de explorar, sacrificar, desmatar, matar, especular, escravizar, dentre tantas outras ações que julgamos serem necessárias em nossas vivências, visto que são tão constantes na sociedade ao longo dos anos (INFELIZMENTE!).

Esta é uma Canção para a vida, pois nos traz uma reflexão sobre o retrato de uma realidade distante do que pode ser entendido como humanidade, realidade esta marcada pelo mal sobressaindo-se ao bem.

Refletir sobre os nossos atos diante da vida em sociedade é fundamental. É essencial, também, identificarmos quem tem influenciado nossas ideias, invertido nossos princípios e nos incentivado a fazer o mal, em vez do bem.

Não adianta pagarmos mal com mal, afinal que avanços são esses em que prevalecem a maldade?

Como esperar um futuro com mãos manchadas pela iniquidade?

Até quando deixaremos influência negativas prevalecerem sobre fazer o bem e levar o amor independentemente de qualquer circunstância e condição?

Para alegria de quem???

 

Até quando nos veremos como deuses,
Que decidem, quanto vale a humanidade?

 

Tente outra vez ♪ ♫

Tente outra vez, composição de Raul Seixas, é a uma Canção para a vida.

Quantas vezes você já não pensou em desistir?

Quantas vezes você já se sentiu cansado e desanimado com os perrengues da vida?

Quantas vezes “bateu na trave”?

É… Talvez seja a hora de tentar outra vez!

“Veja!
Não diga que a canção
Está perdida
Tenha fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!”

Incentivo você a continuar! Continue, tente, “retente”! Alimente seus sonhos, corra atrás de alcançar seus projetos e tente!

Além disso, mais do que tentar, seja uma pessoa que incentive os que estão à sua volta a continuar… espalhe amor, porque dor e sofrimento o mundo já está transbordando! Inclusive, não posso deixar de lembrar que estamos no Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio. Muitos carecem de ajuda!

Continue tentando e espelhando e espalhando coisas boas!

“Não pense
Que a cabeça aguenta
Se você parar
Não! Não! Não!”

Parafraseando as lamentações de Jeremias, que possamos trazer à memória aquilo que nos dá esperança (Lm. 3.21) e continuar!

Continue… Tente outra vez!

 

Ana Paula Rasaboni: “porque arriscar faz bem!”

borró

Da série Pessoas que inspiram…

Nascida na pequena Borrazópolis, Paraná, cidade de 8.000 habitantes, em 19/02/1991, filha de pais separados, Ana Paula Rasaboni foi criada por 3 mulheres: 2 deficientes e 1 idosa: “Eu tive uma base familiar que foi muito importante para minha formação. Fui criada por 3 mulheres, sendo 2 deficientes e 1 idosa. Para mim, elas são referência de superação e dedicação. Eu não me permito lamentar de qualquer coisa… eu não me permito dizer que não posso, porque eu vi que é possível sim. O negócio é o preço. Quase ninguém quer pagar o preço! E é caro, viu! [risos]”. Além dessas 3 mulheres, Ana Paula, que afirma não ser religiosa, mas uma mulher de fé, declara: “Minha inspiração, além delas, é ser generosa como Jesus, amar como Jesus, cuidar como Jesus cuidou e respeitar a todos. […] Se você parar para pensar em Jesus (e não na sua igreja), você verá que Jesus era/é um cara legal. Dele não emanava julgamento, somente perdão e amor. Já parou pra pensar se quem se diz religioso seguisse o exemplo de Jesus? Já parou pra pensar nisso? Isso é muito sério.”.

Ana Paula conta que sempre foi muito incentivada a estudar e a correr atrás de seus sonhos. Com seus 18 anos, vivenciando a fase das indecisões, bastante característica dos jovens nessa fase, Ana precisou escolher entre uma bolsa de estudos em Publicidade e Propaganda, assumir a vaga em Tecnologia do Meio Ambiente na Universidade Estadual de Maringá (UEM), onde passou em 5º lugar, e a vaga no curso de Licenciatura em Letras na Universidade Estadual de Londrina (UEL). Cursos bastante distintos, como podem perceber.

Foi quando, após optar por Letras, Rasaboni mudou-se para Londrina, onde concluiu sua formação acadêmica. Ainda, após concluir a universidade, ela resolveu fazer um novo curso em uma outra área, tornando-se corretora de imóveis, área que ela se diz apaixonada, já que concilia a comunicação e as vendas.

Atualmente, Ana Paula trabalha como corretora de imóveis com a prospecção de clientes para captação de imóveis e mediação das negociações que surgem através da divulgação que ela mesma faz e/ou por indicação de outros clientes.

Apaixonada por gente e por lugares, Ana Paula Rasaboni é uma mulher comunicativa, sociável e aventureira: “Eu sou apaixonada por gente e amo conhecer lugares. Mas as pessoas, ah! As pessoas! Gosto de ouvir os mais diversos pontos de vista e penso: ‘Caramba! Quantos pensamentos diferentes do meu! Uns eu abomino, outros discordo, alguns eu ignoro, mas todos, absolutamente todos me ensinam. Minha paixão por pessoas começou quando eu percebi que era melhor aprender com os erros do outros do que errando eu mesma. A sabedoria ao agir, falar e pensar me previnem de muitas situações desagradáveis. Acredito que isso faz eu ampliar o significado de empatia, faz eu querer ser mais justa mesmo quando eu não posso me favorecer. […] Quando a gente conhece as pessoas, conversa com elas, as escuta, a gente percebe que tem muito do outro na gente e que existe outros além da gente”.

Ela conta que uma das grandes barreiras que enfrentou foi quanto à autoestima: “Eu tive todos os apelidos de magra do mundo, não praticava bem nenhum esporte e já fui eleita a mais feia da sala, talvez por não seguir o padrão pregado pela sociedade. A minha inteligência e bom humor me livraram de toda e qualquer desistência e/ou depressão. Ah! E claro, minha fé em Deus!” – conta Ana Paula.

borró3

Como mencionado anteriormente, Rasaboni ama estar envolvida com pessoas e suas respectivas histórias de vida. Diante disso, ela se dispôs a participar de um projeto social com idosos em um salão cedido por um centro espírita, onde tenta levar a alegria a eles através de várias atividades recreativas todas às terças-feiras.

Veja aqui uma das atividades no asilo

borró2

Inclusive, recentemente, Ana esteve na Colômbia por 50 dias para um trabalho voluntário em um asilo com mais de 200 pessoas com as mais variadas debilidades. Ela conta ter sido uma experiência inesquecível e de muito aprendizado, tanto pelo convívio com os idosos, quanto pela aprendizagem de uma nova língua e, também, quanto pelo “aperto” financeiro que vivenciou.

Rasaboni, que veio de cidade pequena, “menina” bem do interior, foi aos poucos procurando novos horizontes. Primeiro, Londrina, onde fez uma faculdade, e, hoje, vive na Bahia: “Tudo há um preço a ser pago! […] Eu, por exemplo, mudei-me para a Bahia com 2 malas, nada mais. Sem amigos, sem casa, sem emprego. Eu e 2 malas. Não precisei, mas vim disposta a trabalhar em mercado, hotel, bares. Esse tipo de disposição poucos tem. […] Já trabalhei com recriação infantil, vendi bolo na faculdade, trabalhei de garçonete… Por várias vezes dividi a marmita em 2 ou 3 refeições, deixei de comer pizza e tomar sorvete, porque não tinha dinheiro. Mas eu faria tudo novamente, porque foram fases que me trouxeram muito mais do que aparentava ter sido tirado. É preciso disposição e coragem para isso… Que tal comer miojo por 3 dias? Trabalhar das 8 às 3 da manhã do outro dia? Concordo que é “pesado’, mas sei lá! Faço de tudo para ficar melhor ou mais feliz do que a situação que me encontro, se esta me incomoda, é claro! Vale a pena! Mas há um preço e muitas vezes não tem como prever qual será. As pessoas querem o previsível… Não querem surpresas, não querem passar por um momento ruim, diferente…. se acostumam com o ruim que estão vivendo e reclamar dele está ótimo, porque dá para comprar, por exemplo, o perfume caro ou a roupa de marca que tanto querem”, expõe Ana.

Ana Paula gosta de lembrar um pensamento de Bukowski, um escritor (até tatuou tal frase!): “Eu escolhi fazer as coisas, não foram elas que me escolheram.”. Para ela, essa frase diz exatamente quem ela se define: “Sempre, desde criança, fiz o que “quis” e paguei todos os preços” – afirma Ana. Mas como para tudo há um preço, como ela mesmo citou, e por ser uma menina de fé, ela tem para quem pedir socorro: “No meu desespero, eu clamei e Deus ouviu a minha voz”, declara.

Arriscar, sorrir e ajudar o próximo são ações que movem Ana Paula Rasaboni. Para alguns, pode ser loucura, mas ela tem tentado rumos diferentes, adquirido novos conhecimentos e se relacionado com muitas pessoas: “Muitos dizem que inspiro pela minha alegria, em estar sempre disposta a ajudar e por ser corajosa. Eu compreendo que posso inspirar literalmente porque costumo impulsionar as pessoas que comigo convivem. Me orgulho de lembrar de um colega, que comigo trabalhava em um escritório de advocacia. Ele era ex-porteiro e estava tendo sua primeira oportunidade em um escritório. Devido a falta de prática e até por não acreditar em si próprio, ele era um tanto lento. Até que um dia, o puxei em um cantinho, e dei-lhe um puxão de orelha, um “sacode”. Disse a ele assim: ‘ou você se dedica e decide que é isso que você quer, a ponto de mudar de vida, prosperar e usar aquilo que você estudou, ou você vai voltar para portaria do prédio!’. Importante: Nada contra a quem é porteiro, mas ele não gostava dessa profissão e estava tendo uma nova oportunidade… porém estava a deixando escapar por não acordar. Sei que fui um tanto dura, mas penso que tenha sido necessário e, a partir daquele dia, ele mudou totalmente. Hoje, ele é gerente desse escritório, com mais de 40 colaboradores, e isso me enche de orgulho! É notável a reviravolta”, conta Ana.

A vida de Ana não foi só flores. Ela passou por alguns problemas em seus relacionamentos familiares e amorosos, até com denúncia à polícia de um ex-namorado, além das dificuldades financeiras. Mas em todo tempo, ela manteve-se firme, em busca de seus sonhos, buscando amadurecer e crescer. Ela continua tentando. Feliz. Seguindo…

Ana é a dita louca. É mulher aventureira e de fé e está sempre prezando pelo bem do seu próximo. Da mesma forma que para alguns isso assusta, ela inspira.

Ana, que sua loucura e bom coração continuem invadindo o mundo!

E aí? Quem te inspira?

******

Para contatar a Ana Paula Rasaboni, envie um e-mail para: razzaboni@hotmail.com.

Marcio Coyote: a Associação Refúgio

Da Série pessoas que Inspiram…

Nascido em 30 de setembro de 1976, em Maringá, Marcio, conhecido como Coyote, é pastor da Igreja Presbiteriana Refúgio, do Jardim Ana Rosa, em Cambé, Paraná, e, também, empreendedor social – como ele mesmo afirma – especificamente, com o desenvolvimento da Associação Refúgio: “Falo que sou Empreendedor Social e este conceito pode ser interpretado de variadas formas, mas, no geral, refere-se aos empreendedores comprometidos com uma causa comunitária. No meu caso, em específico, acredito que se hoje houver um trabalho com crianças e adolescentes focando na garantia de seus direitos, como esporte, educação, lazer e cultura, podemos juntos fazer um mundo melhor. Também sou pastor, ou seja além de trabalhar com o social, trabalho também com o espiritual… Acredito que Deus em sua sabedoria utiliza seres humanos comuns para fazer a vontade dEle. Para isso, basta se colocar a disposição e o mais Ele fará!”.

coyote

Diante de tal ideia, foi quando Marcio começou, junto aos seus parceiros, a desenvolver a Associação Refúgio, há 18 anos atrás, projeto este voltado especificamente para crianças e adolescentes da região de Cambé: “Aqui na ONG buscamos oferecer um espaço para a criança ser criança e brincar”, afirma Coyote. Ele ainda enaltece o trabalho em grupo, essencial para que isso tudo aconteça: “é fundamental uma equipe que trabalha e sonha junto com a transformação da realidade, além, de é claro, a oração, ferramenta especial e essencial!”.

Veja aqui um vídeo de um dos trabalhos realizados no projeto.

No projeto, são disponibilizadas aulas relacionadas às artes e esportes, como aulas de capoeira, jiu-jitsu, música, balé, street dance, circo e taekwondo. Aproximadamente, são 260 crianças atendidas.

Neste ano, a Associação Refúgio foi um dos selecionados para o Criança Esperança da Rede Globo de Televisão (clique aqui e assista a reportagem do Paraná TV sobre a seleção.). Segundo Coyote, “a cada dia há uma história que aquece nosso coração… Seja o reconhecimento da Unesco com a Rede Globo com o Criança Esperança, seja o dia que ganhamos nosso espaço, ou, até mesmo, quando realizamos os Festivais onde todas as crianças e adolescentes se apresentam. São muitos momentos marcantes! Mas o que mais me marca são os pequenos momentos onde as crianças vêm e nos abraçam como um agradecimento singelo e sincero!”.

Um dos propósitos de Marcio e da Associação é tornar-se referência nacional no atendimento a crianças com o serviço de convivência e fortalecimento de vínculo, contribuindo assim para a Missão Integral, ou seja, transformando a vida das crianças e adolescentes.

Marcio ainda destaca alguns grandes futuros projetos: construção de um anexo com auditório para 150 pessoas e, mais futuramente, uma área de lazer para as crianças da instituição, um parque de diversões em uma área de 300m2 e um restaurante que gerará renda para manter a instituição.

Coyote é pontual ao afirmar que o mundo não é melhor por vários fatores, mas destaca o egoísmo: “Temos recursos suficientes para todos viverem muito bem, mas não vivemos bem por causa de uma minoria egoísta! Preferem ver as crianças morrerem de fome, do que abrir mão de seus privilégios! Temos que mudar isso e podemos mudar! Como fazer? Estou tentando! Acredito que as crianças são a chave! Talvez eu não consiga mudar nada… mas pela conscientização dessas crianças, as mudanças podem surgir e por meio das próprias crianças. Compreendo que podemos fazer algo para a sociedade e é isso que busco fazer todos os dias! Tentar mudar o mundo! Mas isso só terá reflexo daqui décadas, ou seja, temos que trabalhar as crianças de agora para que no futuro se tornem adultos responsáveis e pessoas diferentes dessas que hoje estão no poder, por exemplo. Temos que lutar pela formação de pessoas boas, de bom caráter e com compromisso… ter bons líderes! Acredito, inclusive, que o Evangelho de Jesus Cristo pode mudar as pessoas, pois Ele me mudou! – afirma Coyote.

Algumas pessoas ao longo da vida de Marcio Coyote o inspiraram para que hoje ele também se tornasse alguém que inspira os outros: “Tive e tenho várias pessoas que me inspiraram e ainda me inspiram, como o pastor Fabio de Carvalho, já falecido, da Caverna de Adulão, o Pastor Paulo Cappelletti da Missão Sal e claro, que minha maior inspiração, Jesus Cristo”.

Por outro lado, Coyote conta que enfrentou algumas barreiras ao longo do caminho do ativismo social: “Penso que todos que trabalham com pessoas já se depararam com a ingratidão. Para mim, essa foi a maior barreira… Pessoas que você tira da lama podem te colocar na lama e é muito difícil pensar que, mesmo você fazendo o bem, pode ser pago com o mal! […] É difícil entender isso… Estou entendendo aos poucos”. Apesar disso, Marcio nos deixa uma lição: “[…] mesmo fazendo o bem, não podemos esperar o bem, afinal a pessoa que recebe o bem pode ainda estar tão cheia de mal que só pode devolver o mal. Sendo assim, aprendi que o que fazemos para os outros é na verdade um espelho do que somos e isso é importante: saber quem é o outro e saber quem você é!”.

Marcio relembra o filme O Palhaço, especificamente quando o personagem Benjamin, interpretado por Selton Mello, passava por uma crise a respeito de quem era ele e conclui: “O rato come o queijo, o gato bebe leite e eu sou palhaço”. “Quando eu assisti esse filme, eu estava em uma fase que pensava em desistir do que fazia e do que sou… Até que entendi que o que faço e o que sou não depende das pessoas. […] Sou o que sou por causa de Deus e para Ele.”, destaca Marcio.

Respondendo ao “Quem sou eu?”, Coyote se resume a um jogo de palavras: “Sou Marcio de Carvalho, Apelido Coyote. Sou Cristão, discípulo de Jesus, O Cristo. Sou pastor presbiteriano. Sou empreendedor social. Sou filho do Zé do bar, já falecido. Sou filho da Nice cozinheira da creche, hoje aposentada. Sou marido de Michelle e pai de Fabio. Já fui morador da periferia de Cambé. Sou “sangue no ‘zóio'”. Sou só um Palhaço, sem a graça do rir, mas com a graça de Deus!”.

Marcio Coyote segue tentando moldar o mundo para melhor, em seu espaço, como ativista social e pastor… Marcio Coyote segue inspirando uma nova geração de um bairro…. Marcio Coyote, junto a sua equipe, são o “Refúgio” para muitas crianças e adolescentes.

********

Para maiores informações:

Acesse o site do Refúgio.

Acesse a FanPage da ONG.

Fone: (43) 3154-7777 e/ou 99117-5744 (Marcio Coyote)

E-mail: marcio@refugio.org.br